segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

BOLSONARO CASTIGA OS POBRES E BOLSA FAMÍLIA É TRAVADO NAS CIDADES MAIS POBRES DO PAÍS.


O pacote de maldade com os mais pobres continua a pleno vapor no desgoverno de Jair Bolsonaro, números do próprio governo comprovam que de junho a outubro de 2019, que uma a cada três municípios carentes do Brasil teve redução ou congelamento do principal programa social do país.



Desde a época em que era apenas um deputado inútil  e desprestigiado, Jair Bolsonaro sempre fez questão de atacar o Bolsa família, ao qual o deputado chamava de bolsa esmola e que era uma incentivo a vagabundagem, rumores sobre o possível cancelamento do programa foram levantados por diversas vezes durante a campanha presidencial, ainda no segundo turno sua equipe de forma populista criou o 13º para o programa, agora o próprio governo tenta caducar a MP no congresso para não dar continuidade ao pagamento da parcela extra, criada por eles mesmo, conforme denunciamos na reportagem:ALIANÇA MALIGNA: BOLSONARO, MAIA E GUEDES JUNTOS PARA EVITAR TAXAÇÃO DOS MAIS RICOS E POR FIM AO 13 DO BOLSA FAMÍLIA.

A situação que parecia caótica tende a piorar, segundo um levantamento feito pelo Jornal Folha de São Paulo, considerando os 200 municípios com piores rendas de acordo com o IBGE, mostra que 37 deles tiveram apenas um benefício liberado e 64 houve bloqueio total do programa.

Consequentemente o número de beneficiários recuou de 14,3 milhões de pessoas atendidas em maio, para 13,1 milhões em dezembro de 2019. A nova política adotada no governo Bolsonaro mostra uma queda num abismo se comparado ao governo golpista de Michel Temer, em 2017 a média das famílias beneficiadas era de 250 famílias por mês, já a média no governo fascista é de 26 pessoas ente janeiro de 2018 ainda na gestão Temer e maio de 2019 já no desgoverno, os piores dados são encontrados quando comparado apenas o primeiro ano de Bolsonaro, essa média cai drasticamente para 5 famílias no grupo de 200 cidades mais pobres do país.

A fila de beneficiários que havia sido zerada em 2016 agora conta com mais de 1 milhão de família, o índice de queda no número de pessoas que pediam voluntariamente a saída do programa também teve resultado expressivo, apenas 10 desistências foram registrada em todo o primeiro ano do desgoverno, é o menor índice já registrado desde a criação do programa no governo Lula, ou seja, as famílias estão lutando para se manter no programa, esse fenômeno é constatado apenas quando existe uma grande dependência do programa social, ou seja, para muitas famílias, essa é a única fonte de renda.

Apoiadores do presidente, vivem cantando aos 4 cantos do mundo que Bolsonaro não acabou com o bolsa família e que ampliou o programa, algo irreal com o constatado pela reportagem da Folha de São Paulo, Bolsonaro, pode não ter acabado com bolsa família, mas, o programa agoniza na UTI, beirando ao falecimento múltiplo enquanto as famílias mais pobre passam literalmente dias de fome, esse é o triste cenário do pobre brasileiro, desde que o PT deixou o poder, passando por golpistas e o desgoverno entrou em ação.


Texto: Pedro Oliveira
Edição: Ana Fernandes
Informações: Folha de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário